A Chegada

  1. FkDk
  2. Cinema
  3. A Chegada

Provavelmente o melhor filme de ficção científica da temporada, A Chegada inova ao contar uma história de contato com ETs de uma maneira diferente, talvez muito mais verossímil.

Esta semana descontei um pouco o jejum de cinema indo ver dois filmes sensacionais: Dr. Estranho (que provavelmente não vou resenhar por uma questão de timing) e A Chegada, que provavelmente é o melhor filme de ficção científica da temporada.

Ao ver o trailer já tive vontade de ver A Chegada porque costumo gostar das atuações do Jeremy Renner e do Forest Whitaker. Embora como Lois Lane não tenha me convencido tanto, gostei muito da Amy Adams no papel de Dra. Louise Banks.

Basicamente, como todo mundo já sabe, trata-se de uma história de contato com extraterrestres. Entretanto, em vez de os ETs chegarem na Terra falando Inglês fluente eles se manifestam em doze locais ao redor do mundo expressando-se em sua própria linguagem. Sentiu o drama?

Como os milicos não conseguem se entender com os visitantes eles acabam buscando ajuda de cientistas reconhecidos, e é onde entra a Dra. Louise (cujo nome só agora percebi ser tão parecido com Lois). Ela é especialista em Linguística e acabará fazendo um excelente trabalho, fundamental, ao decifrar as mensagens dos heptapods, que é como se chama a espécie alienígena.

Por fim, devido ao processo de imersão para aprendizado do idioma alienígena, a Dra. Louise Banks acaba aprendendo a pensar igual aos visitantes, o que a leva a uma descoberta algo impressionante sobre o tempo.

Uma história muito boa e muito bem contada — verossímil até onde seja possível em uma história de contato com ETs —, fotografia muito bonita e uma dose de surpresa para o espectador fazem de A Chegada um excelente filme. Não vejo a hora de ele chegar na locadora do Paulo Coelho para eu poder rever.

Quantas estrelinhas este post merece?

Avaliação média: 4.8
Total de votos: 15
A Chegada
Janio Sarmento

Janio Sarmento

Administrador de sistemas, CEO da PortoFácil, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam tão sedutoras para as grandes massas.